quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Um sonho de lã rauze

Corria os últimos anos da década de noventa, havia muito zangyou, a peãozada brazuka na ilhota se arrebentava de trampar e juntar verdinhas. E ainda não existiam pedras como o shakai hoken, imposto municipal e o escambau para atrapalhar... Não perdi a oportunidade. Ralei até ao quase esgotamento total dos meus limites físicos e mentais. Economizei até o osso, estufei meu pé de meia até quase rebentar de Ienes e planejava, sonhava e constantemente fazia contas para conferir se já tinha o suficiente para dar uma de "entrepreneur" lá na terrinha. Ficar se arrastando no chão de fábricas já estava me deixando deveras sacudo e estressado. E a crise de desemprego de 2000 meio que começava a se prenunciar.
Ai então fixei uma data para retornar (junho/1999) e depois de longas matutações, num lance de epifania fake passei a considerar seriamente em abrir uma lan house. Na época parecia ser um negócio extremamente promissor, inovador e até sofisticado. Além de ter o privilégio de não ficar dependendo da lerdeza e instabilidade das conexões discadas que custavam uma fortuna em ligações telefônicas. Poderia navegar na net a vontade e ainda amealhar uns din-dins com a lan house. O casamento do agradável com o útil para a felicidade deste peão-nerd que vos fala.
Retornei para a terrinha e não sei porque, a idéia genial evaporou-se nalgum lugar no meio do trajeto Tóquio - São Paulo. Algum efeito colateral do jetleg do vôo maratônico deve ter enfiado um pouco de razão na minha cabeça entupida de projetos tolos.
Não entrei nesta furada, entrei em outras, verdade seja dita... Mas pelo menos nessa não. E pasmem, lan house se tornou um negócio tão pop que existe uma até em Jacuzinho, uma vila perdida lá nos cafundós do agreste nordestino. Deve estar disputando espaço com botecos, borracharias e templos evangélicos pelos mirréis de seus um mil e novecentos e sessenta e nove habitantes...



O interior é ainda melhor. Dê uma bisa no luxo tecnológico desta lã rauze.



Pelo menos o "criente" parece estar satisfeito...

Um comentário:

Anônimo disse...

hahaha,muito boa dei muita risada.vou abrir a minha tmbm ,mais c/cadeirakkkk