quinta-feira, 24 de abril de 2008

Telequeti japonês é show!!!

O vídeo ai diz tudo...

quinta-feira, 17 de abril de 2008

Oh!!! Uhmmm....

Não teria coragem de usar um troço desses, mas não tive como achá-lo peculiarmente interessante...
Para quem não entendeu nada, isto é um exemplo de BTI (Body Interface Technology).
Segundo a criadora é uma interface para laptop com a finalidade de proporcionar privacidade, calor e principalmente concentração em locais públicos...





Admito que sou meio esquisito, mas usar isso ai... tô fora...

Via Engadget 日本

quinta-feira, 10 de abril de 2008

A última palestra

Acabei de assistir a famosa palestra de despedida do professor Randy Pausch intitulada "Really Achieving Your Chidhood Dreams"(que numa tradução livre ficaria algo semelhante a este título: "Como concretizar seus sonhos de infância"). Apesar de toda badalação promovida pela mídia americana, comecei a assisti-la sem muitas perspectivas, mas aos poucos fui me envolvendo pela fantástica habilidade oratória deste que além de ter sido um brilhante professor universitário, foi igualmente bem sucedido como empresário, cientista, programador, pai de família e ser humano.
No dia (18/07/2007) em que proferiu esta palestra, Randy tinha sido recém diagnosticado de um cancêr pancreático que o condenava a vir a falecer num prazo entre três meses a seis meses. Apesar destas circunstâncias traumáticas, em nenhum momento pareceu estar deprimido ou abatido durante sua apresentação. Ao contrário, de um jeito bem descontraído, vivaz, chegou até a fazer algumas flexões de braço em frente ao auditório para exibir sua disposição física e mental. Nenhuma menção a coisas elevadas como religiosidade, espiritualidade.
O que assisti foi uma tremenda lição de como viver, viver feliz...
Gostei em particular deste conselho:
"Procure pelo que a pessoas tem de melhor. Você pode esperar por um longo tempo, talvez até anos, mas esteja certo de que num determinado momento as pessoas revelarão suas boas qualidades. Espere por isto pelo tempo que for necessário. Ninguém é totalmente mau. Todo o mundo tem um lado bom, tenha paciência..."
Um bom conselho, porém difícil de se dar ouvidos, principalmente por um indivíduo meio complexo como yo.
Realmente é uma pena que ser paciente com pessoas é algo em que não sou muito bom. Mas quem sabe. Um dia ainda espero aprender a ser...

Baixe a palestra com legendas em inglês aqui. Procurei exaustivamente, mas infelizmente não encontrei o vídeo com legendas em português.

Update:
A Cátia me fez a gentileza de passar o seguinte link com legendas em espanhol, assistam aqui.

sexta-feira, 4 de abril de 2008

A estranha popularidade de Magibon

Ao contrario de outros fenômenos individuais do YouTube, que em raríssimas oportunidades são verdadeiros artistas ou na sua imensa maioria pseudos artistas, doidos varridos de toda ordem, que apresentam algumas performances interessantes e divertidas como cantar, dançar, falar, chorar ou uma das infinidades de coisas malucas, bizarras, que só a criatividade humana é capaz de produzir. Magibon possui o diferencial de não fazer nada, absolutamente nada nos seus vídeos, exceto posicionar-se em frente da webcam e piscar, sorrir, balançar a cabeça ou eventualmente comer pizza... Vez ou outra ela balbuciona algumas palavras num nihongo esquisito ou se faz pronunciar num inglês com sotaque nipônico nitidamente falso.
Ainda assim ela possui um índice de popularidade fantástico no YouTube, tanto de fãs, imitadores ou "haters" afirmando que Magibon é puro "hoax" para divulgar filme de terror japonês. Seus vídeos facilmente alcançam uma massiva audiência que não raro, ultrapassam a casa dos milhões de hits e dezenas de milhares de comentários. Confira este, o mais visto de todos, são 37 segundos dela fazendo sua especialidade, ou seja, nada, nadinha mesmo...



Sabe-se pouco sobre ela. Algumas informações esparsas, incertas, soltas em alguns fórums, dão conta de que apesar da aparência de adolescente, a idade real dela é de uns 20 e tantos anos. E embora se assemelhe bastante com aqueles personagens de anime por causa dos olhos enormes e a pele muito pálida, ela não tem nem um pouco de sangue japonês, é americana com uma possível descendência indígena cherokee. Ainda é desconhecido o seu nome verdadeiro. E todas esta informações acima podem ser incorretas, é claro...
A popularidade dela parece estar em alta por aqui também, uma equipe de TV japonesa (GyaO 4) recentemente foi ao EUA com a missão de contactá-la e trazê-la para cá. Pelo que aparece neste anúncio tiveram sucesso.



Gosto não se discute, mas dá pra entender as preferências de certos freqüentadores do YouTube?
Para homenageá-la, alguns fazem blogs, outros parodizam, imitam e um sujeito meio macabro, chamado Jack confeccionou este website especialmente para sua musa.



O público do YouTube definitivamente é meio pinel ou tem muita gente sem ter o que fazer a solta pelo mundo para se atentar com um personagem assim... (por que diabos então escrevi este post?)

Via InsideVideo.

quinta-feira, 3 de abril de 2008

Um livro de dekassegui

"Dekassegui - ida e volta de um imigrante brasileiro ao Japão" é um belo livro de autoria do ex-dekassegui Alex Possato, no qual narra suas aventuras de peão por estas bandas, lá pelos idos da década de 90, bem no início do movimento dekassegui. Interessante notar que mesmo depois de transcorrido uns 15 anos, situações, problemas e o nosso cotidiano não se modificaram tanto assim. A não ser a banda de internet que ficou bem mais veloz. A latinha de coca-cola passou de ¥100 para ¥120. Me esforço para encontrar algo que possa se destacar daquela época para cá, mas só consigo visualizar um grande vazio...
Baixe o livro em pdf aqui.



Trecho:

Em 1994 eu já me considerava veterano-de-guerra. Praticamente três anos de Japão me fizera outra pessoa, mais responsável, com mais determinação e sobretudo com uma alto-confiança que até então eu desconhecia em mim mesmo. A vida semi-solitária em Tsu foi ótima no sentido de me dar tempo suficiente para pensar em meus planos, em tudo o que ocorrera comigo e com os outros colegas naquela experiência um tanto quanto inusitada e desconhecida de grande parte do público brasileiro não relacionado com a colônia nipo-brasileira - grande parte das informações passadas pelos veículos de comunicação são distorcidas ou incompletas, criando uma imagem completamente errada da situação do trabalhador brasileiro em território japonês. Muitos imaginam o dekassegui como um ser abonado pela sorte, portador de alguns milhares de dólares ganhos em pouco tempo, capaz de realizar sonhos como o de comprar casa própria, abrir o próprio negócio, comprar um automóvel zero-quilômetro e outras coisas materiais que o dinheiro proporciona. A verdade não é bem assim. Pela minha experiência, eu diria que uns 30% das pessoas que conhecia realizaram, de alguma forma, algum sonho acalentado no início da jornada ao Japão, os ditos sonhos materiais. No entanto, há de se ver que, por exemplo, um apartamento de classe-média num bairro não muito caro, em São Paulo, não sai por menos de 50 mil dólares, um carro novo simples está na faixa dos 10 mil, um simples telefone custa 4 mil. Depois ainda existem os móveis, eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos e o principal: de onde tirar uma renda suficiente para manter um padrão-de-vida razoável, com direito a uma boa escola para os filhos, roupas, lazer, etc., etc., etc. Dos 30% que levaram uma quantia razoável pro Brasil, foram poucos os que obtiveram mais de 20 mil dólares em dois ou mais anos de trabalho. Podemos pensar: é uma boa quantia. Sim, por outro lado não é o suficiente para "colocar o burro na sombra", como gostava de falar meu avô. É um dinheiro que pode sumir num piscar de olhos, seja ele gasto em extravagâncias, ou num investimento desastrado ou mesmo na compra de alguns bens. Talvez por isso a quantidade de brasileiros no Japão tem se mantido estável durante todos estes anos, a partir da década de 90.
Muitos voltaram com os hábitos mudados, acostumados ao poder aquisitivo do salário e apesar do sofrimento que representa o trabalho em linhas-de- produção, construção-civil, fábricas de todos os tipos, acharam por bem enfrentar mais uma vez a dura rotina dekassegui. Uns voltam, outros vão, num círculo até agora constante.

terça-feira, 1 de abril de 2008

PTeq - Teste de gravidez via dispositivo USB

Nossa, quase acreditei que esse treco fosse de verdade: um dispositivo USB para fazer teste de gravidez.



Mas depois lembrei que ontem foi primeiro de abril e provavelmente deve ser uma pegadinha... Se bem que acabei de chegar do yakin e ainda tô ainda capengando de sono, e desta forma sei que não estou no meu melhor momento para fazer julgamentos. Mas será que é possível?!?!?
Veja o anúncio com seus próprios olhos e conclua por si próprio... aqui.

Yuino Saito

Em busca de inspiração para me encorajar a aprender o tal nihongo de vez, acabei encontrando o vlog desta simpática japonesinha chamada Yuino Saito. Neste primeiro vídeo ela se apresenta e descreve em linhas gerais seu cotidiano e preferências (pelo que entendi :p)...



Mais vlogs dela aqui. Pena que ela não se animou a produzir mais episódios, são somente 16 e o mais recente é de cerca de um ano atrás...