terça-feira, 28 de julho de 2009

Vamos que vamos!!!

Salve, salve pessoal que me acompanha. As coisas até que deram um certo refresco por estas bandas. Na última hora a empreiteira conseguiu postergar até fevereiro do ano que vem o lance de tornar obrigatório o contrato direto com a fábrica e assim continuamos na batalha pelo pão-nosso-de-cada-dia cada vez mais complicado de se ganhar, aqui mesmo, na gloriosa Kobe-shi. Agora trocarei de setor, folgarei mais dias, por consequência menos bunfa nos bolsos, porém ainda assim é bem melhor do me amarrar como "patto" diretamente com o bentoya. O fato é que mesmo desta forma alguns colegas resolveram retornar para a terrinha. Se cansaram da dureza desses dias. Até yo, Carlo, estou considerando dar uma bronzeada numa ensolada praia catarinense e só retornar para o batente dekassegui em 2011, quando imagino uma situação mais arejada na ilhota, sem tanto estresse. Outra alternativa interessante, mas certamente dispendiosa, seria passar uns tempos na Austrália ou Nova Zelândia para estudar inglês e respirar novos ares. As ideias ainda não estão devidamente claras para tomar uma decisão derradeira. Acho que o cenário ainda pode modificar, pelo menos no médio prazo. Talvez para melhor. Se assim for, continuamos aqui na mesma peleja de sempre. Caso contrário, e se tudo o mais falhar, vou ter de buscar conforto naquela velha estorinha da vaquinha...

segunda-feira, 27 de julho de 2009

Brasileiros homelesses na TV japa

Os efeitos do tombo da economia japonesa ainda não deram sinais de arrefecer um tantinho que seja a situação dos brasileiros na ilhota. Assistindo esta reportagem da até a impressão que aumentou a quantidade de compatriotas desabrigados nas ruas. Não consegui descobrir quando estes vídeos foram transmitidos originalmente na TV japa, mas parece que não são tão antigos, talvez do mês passado?





Atualização: segundo um participante da comunidade "Brasileiros no Japão" do Orkut, o vídeo é do dia 15 deste mês.

quarta-feira, 22 de julho de 2009

Tá difícil...

Pois é caros amigos, a busca pelo novo trampo esta se revelando deverás infrutífero. Foram várias tentativas que acabaram afogadas nas águas tristes da desilusão. Chutei tantas bolas ultimamente, e nenhuma chegou sequer a triscar na trave. É dureza. Por mais que tente alimentar algum otimismo, só consigo enxergar a poeira, as trevas, a agonia e a solidão inimaginável num deserto árido de oportunidades.
Estou quase seguindo aquele conselho do bruxo Paulo Coelho: Sentar-se à margem do Rio Piedra e chorar. E sonhar que as minhas lágrimas pelo menos irriguem meu caminho de volta ao bananão e que daquela terra infértil brotem novos caules de esperança. :-]
Vida de dekassegui é foda. Mas nunca, nunquinha, desde que pisei nesta ilha, senti-me tão cansado, desamparado, desanimado, triste, fatigado, depressivo e tudo o mais que ofusca aquela gana de vencer que me fazia seguir adiante...
Como esta difícil acordar e antecipar que o dia não será nada fácil. Parece até que criei uma espécie de bloqueio mental que esta minando, dia após dia, minha confiança de que dias melhores possam realmente vir adiante.
Só sei que preciso urgentemente acreditar em pensamento positivo. Mas não está nada fácil...

Assim é a vida...

Assim é a vida,
pontuada de tentativas,
erros e acertos,
mais erros certamente...

Assim é a vida,
um tosco poema amador,
sem rima, nem métrica,
sem tanta beleza e significado...

Assim é a vida,
que confunde o dekassegui,
estendido no chão,
olhando perdido para o teto.

Assim é a vida,
que parece estar sempre contestando,
contrariando,
nossa felicidade.

Assim é a vida,
suas dores,
seus lamentos,
suas tristes lições...

Assim é a vida,
yakins, hirukins, zangyos,
horas, dias, semanas, anos,
consumidos nesta vida que parece não levar a lugar algum...

sábado, 18 de julho de 2009

Liberada a mendicância no brasil



O presidente lula não fica só no turismo vagabundo pelo mundo, não. Mal descansou da última viagem e já partiu para mostrar serviço revogando o art. 60 do Decreto-Lei no 3.688, de 3 de outubro de 1941 - Lei de Contravenções Penais.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o É revogado o art. 60 do Decreto-Lei no 3.688, de 3 de outubro de 1941 - Lei de Contravenções Penais.

Art. 2o Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 16 de julho de 2009.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Tarso Genro


O texto revogado dizia o seguinte:
Art. 60. Mendigar, por ociosidade ou cupidez:

Pena – prisão simples, de quinze dias a três meses.
Parágrafo único. Aumenta-se a pena de um sexto a um terço, se a contravenção é praticada:
a) de modo vexatório, ameaçador ou fraudulento.
b) mediante simulação de moléstia ou deformidade;
c) em companhia de alienado ou de menor de dezoito anos.


É isso ai lula. Já esta tratando boa parte da população brasileira como mendigos com o bolsa-esmola-família, agora tem mesmo é que liberar geral.

Bem, se não conseguir trampo por aqui e tiver de voltar, pelo menos não vou ter de me preocupar em não ter o que fazer por lá... Posso ficar a toa, vagabundo, mendigando de boa lá na nossa salve-se, salve-se, pátria desalmada, sem qualquer risco de ser chutado para um xadrez.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Você é forte.

Não curto muito estas coisas de auto-ajuda, espiritualismo, religião e tal. Mas esta palestra do Nick Vujicic, um deficiente físico que nasceu sem braços e pernas me fez pensar... A mensagem de superação apresentada na palestra é tão impactante que não tem como não ficar animado e carregado com energias positivas depois de assisti-la.





Comentário da minha amiga Vixen, do Untitled:

Já tinha visto o video, achei muito bonito 0)
Vários cientistas, pediatras e psicologos afirmam, que se o bebe nascesse pensando como um adulto, jamais conseguiria andar, pois sempre acharia impossivel se levantar sozinho e andar, andar, andar... A nossa mente é o nosso guia, se você pensa positivo, seu corpo obedece e atrai coisas positivas. ;)
Esse rapaz é especial, porque usa seu defeito pra ensiar as pessoas que NADA É IMPOSSÍVEL, que dá pra se levantar sim! ( E sem religião )

Albert Einstein e a lição sobre a crise

Sou um fã incondicional deste belo texto de autoria do Albert Einstein. Uma eloquente inspiração para todos os dekasseguis, que como eu, nestes dias tão difíceis lutam para vencer neste país tão distante do nosso.


Não pretendemos que as coisas mudem, se sempre fazemos o mesmo. A crise é a melhor benção que pode ocorrer com as pessoas e países, porque a crise traz progressos. A criatividade nasce da angústia, como o dia nasce da noite escura. É na crise que nascem as invenções, os descobrimentos e as grandes estratégias. Quem supera a crise, supera a si mesmo sem ficar "superado".Quem atribui à crise seus fracassos e penúrias, violenta seu próprio talento e respeita mais aos problemas do que às soluções. A verdadeira crise, é a crise da incompetência. O inconveniente das pessoas e dos países é a esperança de encontrar as saídas e soluções fáceis. Sem crise não há desafios, sem desafios, a vida é uma rotina, uma lenta agonia. Sem crise não há mérito. É na crise que se aflora o melhor de cada um. Falar de crise é promovê-la, e calar-se sobre ela é exaltar o conformismo. Em vez disso, trabalhemos duro. Acabemos de uma vez com a única crise ameaçadora, que é a tragédia de não querer lutar para superá-la.

sábado, 11 de julho de 2009

Tokyo Sonata



É um filme que a principio imaginava ser extremamente deprimente, triste, difícil de assistir. Mas para minha surpresa tem um final bastante otimista, considerando-se que boa parte de sua estória lida basicamente com crises. Crise econômica, familiar, existencial, educacional, conjugal, enfim, crise para qualquer desgosto possível.
Reflete de forma um tanto crua a realidade sócio-econômica de uma bastante provável família japonesa sobrevivendo nestes dias tão granamente bicudos. O patriarca perde o emprego e por vergonha decide esconder o fato da família. O filho mais velho, sem maiores perspectivas no país, decide alistar-se no exército americano. O caçula, a despeito da oposição dos pais, decide aprender piano. A mãe, impotente em cumprir o papel de agregadora da conturbada família, surta depois de ser vítima de um sequestro. Quatro personagens interessantes e complexos compartilhando o mesmo lar numa Tóquio depressiva, hostil e deserta de oportunidades. Quem aprecia o ritmo dinâmico e aquela batidíssima fórmula melosa dos filmes roliudianos não vai curtir esta bela película nipônica que parece muitas vezes estar engatada na marcha lenta de uma melancólica sonata. Mas não é nem um pouco maçante, é uma interessante estória narrada de uma forma bastante sensível e humana. Tem alguns momentos hilários de sutil ironia, quando por exemplo o patriarca acaba se esbarrando com um ex-colega de escola na fila da sopa para mendigos. Tentam em vão por um instante mascarar o motivo de estarem ali, para poucos minutos depois trocarem dicas de como esconder a humilhante situação de desempregados para suas respectivas esposas.
Não vou ficar aqui espoliando o filme a toa. Para encerrar, gostaria de recomendar que o assistam. É uma verdadeira lição, uma inspiração para seguir adiante, mesmo nos piores momentos da vida. Cair, mas ter forças para levantar-se bem mais forte...

sábado, 4 de julho de 2009

Coisas novas

Já assistiram "O silêncio dos inocentes?"
Adoro a cena que se passa quando o Doutor Lecter está no avião e o garotinho do assento ao lado pede um pouco de sua comida.
Ele, todo sorridente e solícito, diz:
- Claro, minha mãe sempre dizia que devemos experimentar coisas novas.
O petisco em questão era o pedaço do cérebro de um infeliz que cruzou o seu caminho e acabou virando bife. É meio macabro, mas achei tão engraçado que nunca esqueci deste trecho do filme.

Pois é... As coisas andam meio brabas por aqui. O bentoya resolveu rescindir o contrato com a empreiteira e contratar direto os brazas no sistema de "patto". Agora temos que arrumar apato por conta, pagar shakai hoken integral e no cúmulo da desgraceira o salário-hora terá um desconto de ¥50. A paga que já era pequena, ficou menor ainda.
Enfim, cabou para mim aqui. Não tenho a menor estâmina de continuar puxando esta carroça pesada e mal paga. Vou cumprir aviso prévio até o fim deste mês e bye, bye bentoya, para sempre.
Agora vou seguir o conselho do Hannibal Lecter, experimentar coisas novas. Sair do gueto verde-amarelo. Aprender a me virar solo. Decisão mais do que coerente, já que decidi de uma vez por todas que para o bananão não volto tão cedo. Com a ajuda de uma amiga comprei um daqueles kit mensetsu por ichiman, catei umas referências e já sai por ai fazendo algumas entrevistas. Estou procurando apato também. Quero ficar em Kobe mesmo. Gostei da cidade, conheci muita gente legal e fiz algumas boas amizades. Vai saber, talvez aqui seja a tal da Pasárgada que tanto andei procurando. Só falta mesmo é arrumar um trampo decente.