sábado, 27 de fevereiro de 2010

Post insone...

Não existe palavra melhor do que "insanidade" para definir a quantidade de horas, MUCHAS HORAS MIESMO que perdi em filas de bancos e serviços públicos variados para regularizar minha situação neste país maravilhoso e tropical, andando de um canto ao outro nesta calorenta San Pablo, derretendo como sorvete de banana ás margens plácidas do Tietê. Claro que em pleno século XXI a gente fica imaginando porque diabos muitas guias, documentações, papéis, não poderiam ser escaneados, enviados e recebidos via internet, mas…

Somos bananeiros, gostamos de dificuldade, gostamos de aglomeração, gostamos de filas e principalmente gostamos de perder tempo a toa. Desburocratizar processos banais faria com que boa parte do nosso estilo de vida decaísse para aquela monotonia nipônica de ficar sobrando muito tempo para trabalhar, estudar, produzir, enfim…


As cousas até que estão correndo nos trilhos. Imaginava que viver em Sampa fosse algo muito semelhante a folhear as páginas de uma densa enciclopédia da criminalidade. Aquela coisa de tensão insuportável, faveladinhos apavorando no pedaço, balas perdidas, assaltos, etc. Mas não. Tranquilo. Nenhum incidente. Tá bão até. Estaria supimpa se a bomba de água do vizinho não ficasse rangendo tão alto a ponto de me despertar e vir aqui neste computador escrever este post ranzinza ás 2:44 da madrugada. Mas tudo bem. Faz parte. É bom ir me acostumando com certos detalhes infames.

5 comentários:

andreia inoue disse...

burocracia eh uma tristeza,perder tempo em filas,nem se fala,mais para o que nao tem jeito...
e espero ter essa sua sorte de nao sofrer assaltos por ai,hahah...beijao.

sharkhummer disse...

Que isso cumpanheiro? Aqui na terra do sol nascente, a gente sofre... tipo, peço o you kill(é o serial killer para enforcar o serviço) para o chefe(gostou do nome?), para poder resolver os pepinos e ele só libera no máximo 3 horas, isso porque é o máximo de tempo que você vai precisar de para resolver seus problemas no banco... e ou imigração...
O atendimento aqui é muito frio...tipo... você vai em qualquer lugar e eles oferecem um chá mais sem...sem o que??O seu vizinho no banco de espera não começa uma conversa amistosa... O silêncio só é quebrado pelo barulho da campainha na hora que o cliente entra no recinto... ou quando o mostrador da senha muda ou quando alguém vai embora...que soa meio estranho aos ouvidos estrangeiros...tipo..Ari gatô goza o máximo...
kkkkkkkkkkkkkkkk
ahhhhhhh eu tõ malucooooooo
shark

Patricia disse...

Se acabasse a burocracia nesse país, o que seria dos cargos públicos? O índice de desemprego aumentaria e, consequentemente o de pessoas vendendo tralha no farol, e consequentemente a criminalidade. Os assaltos ainda acontecem por aqui, mas não é tudo isso não. Não dá para andar com laptop na mão na 25 de março, mas também não precisa ficar acuado dentro de casa. Ainda tem gente boa no mundo. E ainda tem mais gente boa do que gente ruim no mundo. Quando essa proporção mudar, vou para Marte.

madoka disse...

Com todos os problemas que a gente conhece em SP, amo essa cidade. Uma relação de amor e ódio, sabe cumé? Já é paixão. Já disse o poeta, que São Paulo é como o mundo todo, assino embaixo.
Abraço Carlo, tudibom.
Madoka

Leh disse...

Pois é, existe a desconfiança porque existe criminalidade e aí tudo fica mais difícil.
Aqui no JP você não precisa autenticar, basta mostrar o original. Isso é lei no Brasil, mas ninguém cumpre, tá vendo? Uma em cima da outra... BuRRocracia! tem que ter carimbo e assinatura, porque até o original é duvidoso.

Agora, esse teu vizinho.... aí você sente saudade do JP mesmo,
mas como todo bom brasileiro, pense no lado positivo: inspiração para post.

kisses