terça-feira, 6 de abril de 2010

E agora deka?

E agora deka?
O biscoito acabou,
nem uma migalha restou,
e não pode comprar mais,
pois a grana se acabou.
Zangyou não tem mais,
nem trampo,
nem ao menos arubaito.
O shakai nunca pagou,
então não tem o que receber,
como vai encher,
esta sua barriga famélica?

Você esnobava,
você zuava,
você bagunçava,
mas você tinha tudo,
todos os biscoitos,
de todas marcas e sabores,
tinha amigos,
e conhecidos,
que talvez te pagassem um ramen,
ou um kare,
mas a crise chegou,
a festa acabou,
e agora?
De todas as amizades,
nem uma migalha restou.

Só lhe resta fitar triste,
o fundo do pacote que devorou.
E ainda há fome.
E ainda há carie.
E dói-lhe a barriga,
mas para aliviar,
nem sequer,
uma migalha restou,
daquilo que possuía.

E agora deka?
E agora mano?
O Japão não te quer mais,
mas você quer comer mais,
mas só lhe restou,
nesta sua mão calejada,
trêmula e desanimada,
um pacote vazio.

Se você pudesse comer,
se você pudesse lamber,
se você pudesse apenas beliscar,
se você pudesse ao menos tocar,
se você pudesse comprar...
Mas você não compra nada.
Você está falido, deka!

Sozinho na ilhota,
tal qual um náufrago,
sem parede,
sem teto,
e sem destino,
você se arrasta,
deka, pra onde?

Deka:
- pro bananão,
com o trezentão. :-(

3 comentários:

andreia inoue disse...

hahahaha...que massa essa parodia!
:D
em breve vou tá por ai tambem atras dos trezentoes,hhaha!
abracao.

Patricia disse...

E agora, deka? Fazer o que todo bananeiro faz: bola pra frente e vamo que vamo!

Lou disse...

Ah, mas vc não falou que o bananão não estava tão ruim assim?

Faz um doce da bana, quem sabe não fica mais digerível...

Bj