terça-feira, 1 de junho de 2010

Ronivaldo e sua triste estória

Aqui pertinho, em frente ao metrô Praça da Árvore, tem uma padaria/boteco que funciona 24 horas. É para lá que dou uma esticada de pernas nestas madrugadas insônicas e geladas de San Pablo. Apesar da decadência reinante, o lugar não é tão ruim e vez ou outra me vejo papeando com uns tipos notívagos que pintam no muquifo. São sempre os mesmos. Prostitutas, aposentados, taxistas, policiais, mendigos, vagabundos diversos e o Ronivaldo. Um cara que estava passando maus bocados particulares até semana passada. Tinha fobia de altura, de locais fechados, principalmente espaços reduzidos como elevadores, mas como foi obrigado a morar junto com os pais senis em um apartamento no nono andar, tinha de subir e descer um montão de escadas, um esforço físico que lhe causava tontura e palpitações frequentes. Era também acometido por TOC, manias diversas que lhe tomavam muito tempo e causavam imenso desconforto. Tinha horror a sujeira, e alimentava um ódio mortal da irmã obesa, pois ela só tomava banho a cada três dias e deixava um fedor de gambá putrefato por onde passava. Para suportar as coisas, e conceder uma certa aparência de normalidade ao mundo externo, tomava diariamente três tipos de anti-depressivos, um par de calmantes, além de um obscuro e fulminante tarja preta para se aguentar nas crises mais fortes. Pensou inúmeras vezes em acabar com a vida, mas havia sempre a lembrança da sua responsabilidade para com o filho de 8 anos e também um par de animais de estimação para cuidar (uma tarântula e uma cobra), seus únicos amigos verdadeiros, além do Hasmussem, o amigo imaginário que o acompanha desde a infância.
E claro, ainda existia a empresa funerária da família, com 15 funcionários para tocar.

Certa vez tentou resolver seus problemas frequentando uma dessas igrejas evangélicas fanáticas, não melhorou em nada e ainda lhe surrupiaram cerca de 10.000 reais, que tentou com insucesso reaver na justiça um tempo depois. Além de ser ameaçado com pragas cristãs pelo pastor da dita "igreja", absolutamente nada progrediu no litigio. Por causa destes seus inúmeros comportamentos heterodoxos, perdeu duas esposas, mas tinha ciência de que a culpa era toda dele, por ser do signo escorpião, e portanto, por definição astrológica, ser egoísta, mandão e não gostar nem um pouco de ser contrariado, mas fazer o que… Cada sofredor com suas trágicas idiossincrasias, suas cruzes para carregar sobre a carne viva das suas costas açoitadas pelas tribulações que o destino cruelmente impõe aos humanos infelizes neste mundo desgraçado.

No entanto, cerca de um mês atrás sua crise existencial atingiu o fundo do poço, tomou estriquinina, mas deve ter calculado errado a dosagem, e para sua infelicidade o PS conseguiu fazer uma lavagem estomacal salvadora e portanto ali estava o deprimido Ronivaldo me contando a estória de sua vida miserável nas primeiras horas da segunda passada. Hoje de madrugada fiquei sabendo que ele finalmente tinha resolvido todos seus problemas nesta triste vida terrena, e principalmente com o penoso sobe-e-desce diário pelas escadas do seu prédio. E ainda teve o luxo dos paramentos e encomendamentos saírem gratuitamente, pois tudo seria feito pela funerária dele.
Que sorte não? Pelo menos no fim da sua caminhada algo de bom lhe acontece.


PS: Sim. Este conto é uma bosta! Mas ainda assim menos horrível que ultimo episódio do Lost. OMG, aquilo sim foi por demais insuperavelmente ruim e decepcionante.

6 comentários:

andreia inoue disse...

tudo de ruim acontecia na vida do ronivaldo...
:/

Lou disse...

Eu não acompanhei Lost...
E daí que o Ronivaldo era escorpião? Injustiça, viu...
=*

Diogo disse...

Massa esse conto... melhor ainda a comparação com o ultimo episodio de LOST...
Concordo plenamente

Xaum disse...

Hola hermano! ¿Cuánto tiempo.

Quero agradecer pelas palavras de apoio em meu blog. As coisas ficaram um pouco complicadas agora, pois se tem uma parada com a qual eu não lido bem é com isso. Enfim...

Sobre seu post, isso foi um fato real mesmo ?!?!?

Um grande abraço Carlito !

Carlo disse...

Tudo bem, Xaum!
Infelizmente boa parte foi real mesmo. Com o detalhe que ele não suicidou-se ainda. Provavelmente nem vai acontecer. Mas vai saber o que estes caras tem na cabeça.
Fico imaginando quantas pessoas esquisitas ainda vou conhecer em Sampa...

Força aí cara. Você é forte. É difícil, mas a gente sempre consegue superar perdas de um ente querido como a mãe.
[]'s

Nicolas disse...

Fala aê Carlo!

Enfim, vou tentar asistir esse filme. No mais ânimo para você!!!